Minha mãe é negra sim!

imagem

Minha mãe é negras im! Conta a história do menino Eno, que se vê às voltas com o racismo na escola e sofre com o dilema de ter que retratar sua mãe negra, em uma atividade escolar.

Livro de Patricia Santana

Editora Mazza

R$ 10,00

Published in: on novembro 29, 2008 at 6:06 pm  Deixe um comentário  

Poemas da recordação e outros movimentos

capa20conceic3a7c3a3o1

Em conhecida entrevista, Conceição Evaristo revelou a natureza íntima de sua criação literária através de uma única e sonoro palavra: escrevivência. Ao assumir que sua escrita seja em prosa ou poesia está definitivamente comprometida com sua existência, ela nos brinda com uma obra contaminada pela angústia coletiva, testemunha da opressão de classe, gênero e raça, mas porta-voz da esperança de novos tempos. Esta literatura de autoria assumidamente negra ao mesmo tempo projeto político e social, testemunho e ficção inscreve-se de forma definitiva na literatura contemporânea, e contemporânea, e contém as marcas identitárias na literatura contemporânea, e contém as marcas identitárias das mulheres que reescrevem a história literária brasileira. (Constância Lima Duarte – UFMG)

Livro de Conceição Evaristo

Editora: Nandyala

R$ 20,00

Published in: on novembro 29, 2008 at 5:19 pm  Deixe um comentário  

Um botão negro, outro branco

um_botao_negro_outro_branco

Esse livro mostra a paixão entre dois adolescentes e o preconceito que sofrem, quando amigos, professores e pais descobrem o namoro.

Livro de Beto Bevilácqua

Editora: DCL

R$ 13,00

Published in: on novembro 29, 2008 at 4:54 pm  Deixe um comentário  

Vozes Femininas do Império e da República

vozes

A participação das mulheres na cultura, na educação, literatura, na mídia e na política hoje é ampla e diversificada. Mas nem sempre foi assim. Para chegarmos ao estágio atual, desde o século XIX algumas mulheres pioneiras precisaram erguer suas vozes e conquistar seu espaço, em sociedades que lhes reservavam papéis secundários e restritos ao seio das famílias. A história da vida e da luta de algumas dessas mulheres, do Brasil e de Portugal, é o que o leitor vai encontrar nas páginas de Vozes femininas do Império e da República.

Organizado pelas professoras Yolanda Lima Lobo (UENF) e Lia Faria, o livro se divide em três partes – falas imperiais, falas literárias e falas apaixonadas – e reúne 11 artigos que, ao contar a história de mulheres especiais, acabam fazendo um registro da evolução das sociedades brasileira e portuguesa, do seculo XIX aos nossos dias.

Livro de Yolanda Lôbo, Lia Faria (Orgs.)

Editora: Quartet

R$ 34,00

Published in: on novembro 29, 2008 at 4:46 pm  Deixe um comentário  

A TRAMA DAS VONTADES: NEGROS, PARDOS E BRANCOS NA CONSTRUÇÃO DA HIERARQUIA SOCIAL DO BRASIL ESCRAVISTA

apicuri_capa_trama-release

A Trama das Vontades trata das relações de poder estabelecidas entre escravos e livres, e entre brancos, pardos e negros, no pequeno vilarejo de São José dos Pinhais, que na passagem do século XVIII para o XIX era freguesia da Vila de Curitiba, região paranaense que, por então, pertencia à Capitania de São Paulo. Trata-se de um livro de história social clássica, meticulosamente construído a partir de fontes e técnicas quantitativas e com o acompanhamento de trajetórias individuais e familiares. Segundo o historiador Stuart Schwartz – autor do prefácio – a obra nos permite conhecer “a natureza da escravidão e também o caminho através do qual as posições raciais e sociais foram construídas e modificadas em uma região agrícola particularmente modesta, onde nem escravos nem escravidão predominavam, mas onde a escravidão e as distinções raciais influenciavam todas as relações sociais.”

Livro de CACILDA MACHADO

Editora: Apicuri

R$ 28,00

Published in: on novembro 29, 2008 at 4:41 pm  Deixe um comentário  

Delícias do Descobrimento: A gastronomia brasileira no século XVI

1080
O padre José de Anchieta apreciava carne assada de macaco e bicho de taquara torrado e deixou esse depoimento para a posteridade. E ele não foi o único. Viajantes, padres, senhores de engenho e navegadores descreveram a fauna e a flora do Brasil do século XVI em detalhes. Registraram ainda ingredientes dos quatro cantos do mundo trazidos pelas rotas marítimas e as adaptações que os cardápios sofreram ao se deparar com novos itens.

A autora recorreu aos textos de época para recuperar o que se comia no Brasil no primeiro século após o Descobrimento. O resultado conta com deliciosos e curiosos verbetes.

. Inclui cerca de 160 ilustrações da época

. Recorre a citações de textos quinhentistas

. Receitas originais ou adaptadas de livros dos séculos XVI e XVII

Livro de
 
Editora Jorge Zahar
R$ 34,00
Published in: on novembro 29, 2008 at 4:31 pm  Deixe um comentário  

ALEIJADINHO:Homem barroco, artista brasileiro

Quem foi e como viveu o homem que ficou conhecido como Aleijadinho, o artista maior do barroco brasileiro? Por que recebeu este apelido? Era mesmo deficiente? Sob que condições realizou sua obra? Apoiou a Inconfidência Mineira? Foi maçom? Casou-se? Deixou descendentes? Este livro convida os leitores a descobrir as respostas viajando através da história, da arte e da da cultura brasileiras. Além de artista excepcional, Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho, foi um homem de seu tempo e lugar: a Minas Gerais do século XVIII, centro da economia e da cultura do ouro, época do florescimento da arte barroca no Brasil e do surgimento das idéias que fundamentaram os conceitos de independência, nação, brasilidade. Estes conceitos nasceram e se desenvolveram atravessados por duas grandes questões: a escravidão e a mestiçagem. Sua difusão por meio de publicações, currículos escolares, imprensa, meios audiovisuais etc. fez com que determinadas visões dessas questões se popularizassem e fossem aceitas como verdades. Sob estas perspectivas, o Aleijadinho, filho de uma ex-escrava com um afamado arquiteto português, é invariavelmente retratado como um homem feio, doente, deformado, triste, angustiado, uma tradução dos atormentados gênios descritos pela literatura romântica européia. Ou como um mestiço que, pelo talento individual, conseguiu “superar” sua origem. A consideração da originalidade de sua obra, que se deve sobretudo aos intelectuais e artistas modernistas do século XX, serviu para dar visibilidade e dignidade ao barroco brasileiro, mas não para desfazer os mitos e lendas. Ao contrário, reforçou-os em muitos aspectos. Tudo isso oculta as dinâmicas da vida e da produção de Antônio Francisco, especialmente nos aspectos que têm a ver com sua condição de mestiço, mulato ou negro numa sociedade colonial marcada pela relação entre cor da pele e condição social. Pouco se sabe sobre sua vida. Em parte porque, para as elites da época, seu trabalho não era considerado original, e sim uma cópia menor de uma arte, o barroco, que todos relacionavam com o absolutismo. Em parte porque, para muitos intelectuais do século XX, ele foi visto como uma espécie de herói ou símbolo da nacionalidade. A partir de um percurso pela biografia do artista e pelas condições sob as quais se criaram as crenças, mitos e lendas em torno da sua figura, sobretudo aquelas relacionadas à sua origem africana, este livro abre novas possibilidades para questionar, entender e interpretar aspectos da história, da cultura e da arte brasileiras. MARIA ALZIRA BRUM LEMOS é escritora e doutora em Comunicação e Semiótica. É autora, entre outros, de O doutor e o jagunço: Ciência, cultura e mestiçagem em Os Sertões (Arte&Ciência, 2000) e A Ordem Secreta dos Ornitorrincos (Amauta, 2008).
Livro de Maria Alzira Brum Lemos
Editora: Garamond
R$ 32,00
Published in: on novembro 2, 2008 at 6:20 pm  Deixe um comentário  

PELÉ: Estrela negra em campos verdes

Os dribles, as jogadas geniais, o enorme talento com a bola e os gols inesquecíveis fizeram de Pelé um mito. O menino pobre que nasceu Edson Arantes do Nascimento e era carinhosamente chamado de Dico na cidade de Três Corações, em Minas Gerais, alçou vôos inimagináveis para um garoto negro da época. Aqui, podemos acompanhar uma história de glórias, de alguém que brilhou intensamente como estrela negra em campos verdes, mas também uma história humana, de uma pessoa como todas as outras, com os altos e baixos que a vida impõe. Este livro narra o seu percurso. Uma trajetória marcada pela fama e o sucesso, que o levaram a ser cultuado como figura máxima do futebol – ou, para ser preciso, como verdadeiro sinônimo do esporte – em todos os quadrantes do planeta. Isto durante décadas, sem que sua retirada dos gramados, há mais de 30 anos, tenha afetado a popularidade de Pelé nem diminuído sua aura de eterno campeão. Pelé enfrentou dificuldades de ordem econômica, familiar, afetiva. Teve problemas com os filhos, sofreu baques comerciais, viveu o fim de dois casamentos e alguns tórridos romances públicos. Saiu-se, como todo mundo, às vezes melhor, às vezes pior. Na média, uma trajetória digna e bonita, com alguns tropeços e muitas grandezas. Agora, às vésperas de completar 68 anos, Pelé ressurge como personagem múltiplo e complexo, idolatrado por milhões de admiradores ao redor do mundo e profundamente brasileiro – sempre fiel ao menino negro que, ainda conhecido como Dico, saiu com a familia de Três Corações para conquistar o mundo. É o que este livro relata, com graça e leveza, a partir de uma vasta e rigorosa pesquisa documental.

Livro de Angélica Basthi

Editora Garamond

R$ 34,00

Published in: on novembro 2, 2008 at 6:15 pm  Deixe um comentário  

MACHADO DE ASSIS :Num recanto, o mundo inteiro

Machado de Assis nunca saiu do Brasil, mas aprendeu línguas e lia assiduamente os europeus. Em meio a um cotidiano dos mais previsíveis, vivia uma cosmopolita aventura intelectual, em que combinava experimento e reflexão. Usou o Rio de Janeiro como cenário de narrativas que colocam em perspectiva seu tempo e privilegiam as perguntas sobre a existência. Conhecido pela consciência artística, absorveu tão bem a contribuição alheia que pôde submetê-la a seu arrojado projeto particular. Com intuição e tenacidade, conectou nossa prosa ao que de melhor se fazia no mundo, permanecendo um dos primeiros nomes da literatura universal. Esta biografia retrata seu fascinante percurso. A vida de Machado de Assis renderia um melodrama, no qual se destacariam fatos dolorosos como a perda prematura da mãe, o enfrentamento do preconceito racial, a presença cada vez mais incômoda da epilepsia e uma viuvez aterradora. Entretanto, as aflições tiveram como contrapartida uma carreira que despertou o carinho dos contemporâneos e a admiração dos pósteros. Esta biografia harmoniza ambas as dimensões, ao cruzar a trajetória pessoal do autor com o processo de produção da obra mais celebrada do país. Conecta situações corriqueiras a eventos literários decisivos e fatos de grande importância histórica. Arte, cultura, política e outras esferas constituem um todo a facultar uma visão privilegiada do século XIX e seus desdobramentos. Nesse contexto, destacam-se as realizações de Machado, que, entre nós, consolidou a crônica, fundamentou a crítica, modernizou o conto e elevou o romance a padrões internacionais, firmando-se entre os melhores prosadores do planeta. Mesmo em verso, deixou composições merecedoras de integrar qualquer antologia completa da poesia brasileira. Aos feitos formais associou uma consistência ética pela qual se firmou como uma das personalidades mais probas de nossa história. Era um funcionário público exemplar: cumpria com zelo suas tarefas mesmo durante as fases de criação intensa. Com seu agudo senso crítico, usava os jornais para condenar as grandes máculas nacionais, como a resistência a abolir a escravatura e a manutenção de um índice de analfabetismo escandaloso. Este livro incorpora as últimas descobertas dos pesquisadores para espessar e matizar a imagem de Machado. Denso e dinâmico, ocupa espaço relevante entre as homenagens pelo centenário de morte do escritor. Orelha: Sobre o autor: Dau Bastos é professor de Literatura Brasileira na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Entre seus livros encontram-se os romances Das trips, coração, Snif e Clandestinos na América, além da tese Céline e a Ruína do Velho Mundo, premiada como melhor volume de ensaio de 2003, pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).
Livro de Dau Bastos
Editora: Garamond
R$ 42,00
Published in: on novembro 2, 2008 at 6:12 pm  Deixe um comentário  
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 38 outros seguidores