O IMPERADOR DE OCEAN PARK

oimperad.jpg

Não é qualquer um que recebe 4,2 milhões de dólares adiantados pela sua estréia como romancista. E não é qualquer estreante que pode começar com um livro de 800 páginas. Mas o americano Stephen L. Carter é uma dessas raríssimas exceções. Apontado como uma mistura de John Grisham e Tom Wolfe ( traz o pique do primeiro com a expressão literária do segundo ), Carter conseguiu que seu primeiro romance, O Imperador de Ocean Park, caísse nas graças do público – que o transformou num best-seller instantâneo – e da crítica – que o estampou na capa do The New York Times Book Review e o aclamou em publicações como The Washington Post, The Los Angeles Times, The Observer e The Economist, entre outros. E o mais interessante é que seu thriller policial é protagonizado por membros da elite negra dos EUA. Em tempos de Colin Powell, o famoso secretário de estado norte-americano, eis que surge um livro que mostra os poderosos juízes, políticos e executivos negros da América, bem como o dia-a-dia de suas famílias de classe média alta. Não por acaso, Stephen L. Carter também é negro, um dos mais respeitados intelectuais de seu país, com 20 anos de experiência como professor de direito da Universidade de Yale e autor de alguns dos livros jurídicos mais comentados dos anos 90.

O narrador da história é Talcott Garland. Assim como Carter, ele é um advogado que dá aulas numa grande universidade e adora jogar xadrez, mas as semelhanças terminam aí. Seu pai, um famoso juiz conservador, acabou de morrer de um ataque cardíaco sem deixar saudades. No velório, Talcott é abordado por Jack Ziegler, um temido gângster de colarinho-branco que era padrinho de sua falecida irmã. Diante do caixão, Ziegler lhe faz a seguinte pergunta, como quem diz uma senha: “Quais foram as disposições que seu pai lhe passou para o caso de morrer subitamente ? ” Ele não está se referindo à herança nem a como o falecido gostaria de ser enterrado. O problema é que Talcott não faz a menor idéia do que o criminoso esteja falando. E Ziegler, por outro lado, pensa que o órfão está se fazendo de desentendido. Com o que talvez seja uma ameaça sutil, ele diz que Talcott pode se arrepender amargamente por não lhe revelar logo quais são “as disposições”. E há um último aviso: o tempo está correndo.

Livro de Stephen L. Carter

Editora Rocco

R$ 80,00 

 

Published in: on maio 17, 2007 at 11:14 am  Deixe um comentário  

EU , TITUBA , FEITICEIRA

A aldeia de Salem, em Massachusetts, Estados Unidos, ficou famosa no século XVII por uma grande caça e execução de feiticeiras. A histeria provocada por um ambiente rígido e mesquinho fez com que todas as malquistas da aldeia fossem acusadas de bruxaria e condenadas à morte, as que não confessassem, e à prisão as que confessassem e apontassem cúmplices.

Tituba, escrava, filha de escrava, é uma das personagens esquecidas dessa lúgubre história. Trazida à luz por Maryse Condé, a voz de Tituba pode ser ouvida neste relato emocionante. Seus amores, decepções, aprendizado e a reviravolta que ocorrem em sua vida quando seu poder, desenvolvido para ajudar as pessoas, começa a ser visto como maléfico.

Livro Maryse Condé

Editora: Ed. Rocco

R$ 28,00

 

Published in: on maio 17, 2007 at 10:11 am  Deixe um comentário  
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores