Cartola, os tempos idos

capa-cartola-big.gif 

A presente edição da Gryphus traz diversas novidades: fala do nascimento do samba amaxixado, quando Cartola tinha cerca de oito anos, apresenta o Centro Cultural Cartola e os enredos que a Mangueira já desfilou, desde 1929. E o samba como hoje o entendemos, nascido da laicização da música dos cultos afro-brasileiros do Rio de Janeiro. Em linguagem popular, isso significa letra profana em ponto de macumba. A transformação foi acontecendo nas primeiras décadas do século XX, mas o gênero se fixou como samba mesmo quando Angenor de Oliveira atingia a maioridade. Enquanto isso, nos apartamentos da Zona Sul, nascia a bossa-nova. Esse novo “jeito”de cantar e tocar samba, ao mesmo tempo que o tornava mais palatável para as classes média e alta e lhe abria espaço junto ao consumidor norte-americano, gerou, durante décadas, uma postura preconceituosa com relação ao samba tradicional, que passou a ser considerado diversão da Zona Norte. Daí a divisão: enquanto um grupo de músicos era convidado para shows nos Estados Unidos, outro perdia os espaços de trabalho. Cartola pertencia a este grupo, mas a paixão dos autores por ele, o homem e obra, continua a mesma.

Livro de Marília Barbosa Silva e Arthur de Oliveira Filho

Editora Gryphus

R$ 51,00

Anúncios
Published in: on janeiro 6, 2008 at 11:55 am  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://kitabulivraria.wordpress.com/2008/01/06/cartola-os-tempos-idos/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: