Os gêmeos do tambor (reconto do povo massai)

Kume e Kindogoi são conhecidos, desde pequenos, como Os gêmeos do tambor. Os dois meninos cresceram e se tornaram robustos.
Verdadeiros guerreiros, sabiam de tudo sobre gado e fenômenos da natureza, mas desconheciam seu próprio passado.

 

Seguindo o caminho contrário ao que corre o rio, o autor Rogério Andrade Barbosa convida o leitor a descobrir a história que deu origem a esse conto. Comriqueza de detalhes e cores, as ilustrações de Ciça Fittipaldi conduzem a história visual criada dentro dessa narrativa.

Livro de Rogerio Andrade Barbosa

Editora: DCL

R$ 25,00

Published in: on outubro 22, 2008 at 10:07 pm  Deixe um comentário  

Mestre Lisboa – O Aleijadinho

Este livro revela a trajetória de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, maior artista do barroco mineiro, permeada por importantes passagens da história do Brasil, seus costumes e cultura.

Uma história de talento e superação, uma viagem através da História e da Arte num livro para todas as idades.
As preciosas ilustrações de Nelson Cruz apresentam cenas cotidianas, detalhes de escultras, ferramentas e objetos de época em amrelos e vermelhos luminosos e vibrantes.

Editora: DCL

R$ 26,50

Published in: on outubro 22, 2008 at 10:04 pm  Deixe um comentário  

Duula – A mulher canibal

Uma terrível seca transformou a jovem Duula num ser animalesco, selvagem e canibal, que persegue suas vítimas sem trégua no árido território africano.

Extraído da tradição oral africana, esse conto guarda curiosas semelhanças com fábulas conhecidas de todos, como João e Maria e Chapeuzinho Vermelho.
Livro: Rogério Andrade Barbosa
Editora:DCL

R$ 25,00

Published in: on outubro 22, 2008 at 10:00 pm  Deixe um comentário  

A Magia das Letras Africanas:ensaios sobre as literaturas de Angola e Moçambique

2ª edição

Publica-se no Brasil, em 2008, a obra ensaística A magia das letras africanas, que, desde seu aparecimento em Portugal há cinco anos, se tornou uma contribuição imprescindível para aqueles que não se conformam com a existência da teia de silenciamento imposta sobre as literaturas africanas, em geral, e sobre as de Angola e Moçambique, em particular, em nosso meio acadêmico-cultural. Penetrar no denso labirinto dessas literaturas é percorrer um espaço que se quer sempre cúmplice da ancestralidade emanada de um saber tão antigo, como antigo é o tempo africano. E fazê-lo, pelas mãos e sensibilidade de Carmen Lucia Tindó Secco, é, para além de tudo, pactuar com a beleza de um texto que, não abdicando de sua seriedade epistemológica, não se nega a deixar-se tocar pela maga vara de condão da poesia, pela qual tudo se transforma. Os textos críticos nascem, desse modo, da confluência sígnica entre as vozes dos autores africanos, que a ensaísta elege como base de suas leituras, e a sua própria voz que parece sempre emergir do lago profundo que só a poesia é capaz de criar.
Sabemos que o exercício crítico não é uma tarefa fácil. No caso específico do trabalho com as Literaturas Africanas, tal exercício se torna ainda mais complexo, pelo fato mesmo de que é difícil ler o outro, tendo em conta nossos próprios referenciais teóricos, herdados do Ocidente hegemônico. No entanto, a cumplicidade de Carmen com esse outro rompe o pesado silêncio e o corpo simbólico da alteridade acaba por emergir, com força, de sua fala também em diferença, tanto no que concerne estritamente à expressão literária quanto a outras interlocuções que a pesquisadora surpreende. Com a sabedoria das filhas da Kianda, ela vai decifrando os sinais, reordenando-os para, sempre segurando seu próprio fio de Ariadne, vencer as artimanhas impostas pelo labirinto linguajeiro de Angola e Moçambique…

…Por tudo isso, como leitora de Carmen Lucia Tindó Secco, só me resta reconhecer as “várias faces e formas” da “magia das letras de Angola e Moçambique”, entregando-me – e espero que outros o façam comigo – “ao exercício, ao desfrute e ao sortilégio delas!”

Laura Cavalcante Padilha
Professora de Literaturas Africanas
de Língua Portuguesa na Universidade
Federal Fluminense (UFF)

Livro de Carmen Tindó Secco

Editora: Quartet

R$ 34,00

Published in: on outubro 9, 2008 at 8:10 pm  Deixe um comentário  

Todas as cores na educação:contribuições para uma reeducação das relações étnico-raciais no ensino básico

Ana Canen, Ana Lúcia Nunes Penha, Arno Vogel, Azoilda Loretto da Trindade, Celi Silva Gomes de Freitas, Henrique Cunha Jr., José Flávio Pessoa de Barros, Leila Medeiros de Menezes, Luiz Elias Sanches, Luiz Fernandes de Oliveira, Marco Antônio da Silva Mello, Mônica Regina Ferreira Lins, Ricardo César Rocha da Costa e Scheila Ribeiro de Abreu e Silva.

A Lei n. 10.639/03, que modificou a Lei n. 9.394/96 (LDBEN), tornando obrigatório o ensino de História da África e da Cultura Afro-brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, públicos e privados, é o ponto de partida para a produção deste livro, que trata de temas como:
Apontamentos para a construção de um mapa étnico-racial do município de Macaé; o racismo no cotidiano escolar; a educação brasileira e o currículo a partir de um olhar multicultural; história e cultura africana e os elementos para uma organização curricular; escravidão e abolição no município de Macaé; a criança, a escola e a herança africana no Brasil; imagens de liberdade da população negra no Brasil; a identidade verde-rosa da nação mangueirense; marxismo e candomblé na obra de Edison Carneiro; encontro e desencontro de duas tradições religiosas, o vodu e o candomblé; perfil da juventude de Macaé como contribuição para a formulação de políticas públicas; e juventude negra e violência, um extermínio anunciado.
Segundo seus organizadores, o livro se insere numa luta de diversas entidades e personalidades negras de nossa história, “que não se curvaram diante da opressão racista e das ideologias e mitos que tentavam, e tentam até hoje, negar o racismo existente no Brasil”. Por isso sua leitura é fundamental para todos os que acreditam na construção de uma cidadania baseada na interculturalidade.

Livro de José Flávio Pessoa de Barros e Luiz Fernandes de Oliveira (Orgs.)

Editora: Quartet

R$ 34,00

Published in: on outubro 9, 2008 at 8:06 pm  Deixe um comentário  

Rio colonial: histórias e costumes

O Com apresentação do poeta e crítico de arte Ferreira Gullar e cheio de fotos e ilustrações, o livro faz uma breve história da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro no período colonial, através da arte e dos costumes do seu povo. Mapas, fotos de igrejas, teatros, monumentos e logradouros públicos, reproduções de gravuras e outras obras de artes compõem o volume.

“Trata-se”, como atesta Gullar, “de uma leitura gratificante e instrutiva, porque o seu autor, com mão delicada e precisa, de cronista e pesquisador, vai nos informando de como a cidade foi fundada e batizada, como se desenvolveu e se formou, até que, repentinamente, de uma vila provinciana e colonial que era, tornou-se a sede do reino português.”

Autor de Arte no Brasil colonial, Antonio Luiz d’Araujo vem se dedicando ao estudo e divulgação das manifestações artísticas e sociais da história cultural brasileira desde os anos 1950. Nos anos 1980, coordenou festivais de arte e participou da elaboração de acordos culturais com outros países para a difusão da arte brasileira no exterior.

A publicação deste livro só foi possível graças ao apoio da empresa Astromarítima Navegação S.A., que o patrocinou através da Lei de Incentivo à Cultura.

Livro de Antonio Luiz d’Araujo

Editora: Quartet

R$ 59,00

Published in: on outubro 9, 2008 at 7:52 pm  Deixe um comentário  

Vozes (Além) da África

O livro traz tópicos sobre Identidade Negra, literatura e História Africanas, reúne artigos de pesquisadores que evidenciam os esforços no sentido da formação de identidades no espaço colonial africano, a partir da reelaboração dos elos estabelecidos entre os povos nativos e a cultura e denominação impostos pelo colonizador europeu.

Livro de Organizadores:

Ignacio G. Delgado (coord.)
Enilce Albergaria
Gilvan Ribeiro
Renato Bruno

Editora da UFJF

R$ 26,00

Published in: on outubro 9, 2008 at 7:37 pm  Deixe um comentário  

Mitologia dos orixás

Mitologia dos orixás, do sociólogo Reginaldo Prandi, é a mais completa coleção de mitos da religião dos orixás já reunida em todo o mundo. São 301 relatos mitológicos, histórias que contam, por meio de imagens concretas e não de idéias abstratas, como são, o que fazem, o que querem e o que prometem os deuses desse riquíssimo panteão africano que sobreviveu e prosperou em países da América – em particular no Brasil e em Cuba – e que nos últimos anos tem sido exportado para a Europa.
Na sociedade tradicional dos iorubás, é pelo mito que se alcança o passado, se interpreta o presente e se prediz o futuro. Cada mito, portanto, é uma surpresa sempre renovada, um segredo revelado que jamais se deixa desvendar completamente. Ao narrar episódios em que se envolveram deuses como Exu, Ogum, Iemanjá e Iansã, Mitologia dos orixás chama a nossa atenção para sentidos vitais profundos e nos aproxima do vasto patrimônio cultural dos negros iorubás ou nagôs.
O livro é ricamente ilustrado, com fotos coloridas de todos os orixás que se manifestam em cerimônias do candomblé no Brasil e ilustrações do artista plástico Pedro Rafael. 

Livro de Reginaldo Prandi

Editora: Cia das Letras

R$ 74,00

Published in: on outubro 9, 2008 at 7:30 pm  Deixe um comentário  

A abolição

Esta 8ª edição, revista e ampliada, do livro A Abolição, da professora Emilia Viotti da Costa, aborda o processo de lutra pela abolição da escravidão no Brasil e desmistifica a imagem da abolição como doação da princesa Isabel em 1888 e não como exigência de um sistema de produção. A autorea relata os diversos momentos, personagens e aspextos do processo abolicionista que libertou os brancos do fardo da escravidão e abandonou os negros à sua própria sorte.

Livro de Emilia Viotti da Costa

Editora: Unesp

R$

Published in: on outubro 9, 2008 at 7:25 pm  Deixe um comentário  

A ÁRVORE E A ESTRELA

Mauricio Vieira vive em Angola, trabalhando em uma empresa angolana de
engenharia co-responsável pela reconstrução do país através da construção de
pontes, estradas e desminagem. Já viajou o país inteiro com sua câmera nas
mãos, registrando com rigor esta terra de contrastes. De um lado uma natureza
selvagem, inexplorada; de outro lado os escombros e as ruínas de um país
assolado por décadas de guerra.

É este fascínio pela terra e pelo povo de Angola que Mauricio perpetua em sua
câmera. Um olhar de viajante que trafega livremente por um país orgulhoso,
nobre, absoluto.

Em seu livro de estréia, apresentamos uma seleção de 70 fotos permeadas por um
depoimento seu, além de textos de Sérgio Guerra [brasileiro, produtor cultural
e fotógrafo, radicado em Angola desde 1999], Marcello Sorrentino [carioca,
antropólogo e poeta] e Luis Fernando [angolano, jornalista, diretor do único
jornal diário de Angola, por 12 anos].

Livro de Mauricio Vieira

Editora: Memória Visual

R$ 79,50

Published in: on outubro 9, 2008 at 6:52 pm  Deixe um comentário