Reminiscência dos quilombos : Território da memória em uma comunidade geral negra rural

Construindo a partir de pesquisas de campo e em arquivos históricos, este livro reconta a trajetória histórica e a formação territorial da comunidade negra rural de Cambará (localizada entre Cachoeira do Sul e Caçapava do Sul/RS), priorizando as narrativas, visões e experiências de homens e mulheres do local em distintos contextos. Apresentando os principais debates e polêmicas em torno das chamadas comunidades remanescentes de quilombos, o autor dá destaque aos meandros da luta por reconhecimento quilombola nessa comunidade.

Nas palavras de Emília Pietrafesa de Godoi:

“Escrito com rigor e sensibilidade, este livro traz narrativas e vivências de homens e mulheres de Cambará, uma comunidade negra rural no Rio Grande do Sul. Ao narrar com eles a história deles, o autor traz contribuições teóricas e metodológicas notáveis para as pesquisas realizadas em contextos cuja história é marcada pela “memória oral”. O livro de Marcelo Moura Mello vem também somar esforços aos dos estudos recentes tanto da historiografia da escravidão como da antropologia para desvelar os processos que resultaram na invisibilidade dos segmentos negros da população dos estados do Sul do Brasil, em especial do Rio Grande do Sul.

Ao desfiar os fios das relações tecidas entre as famílias de ex-escravos, das relações de trabalho, dos processos de espoliação de terras, vai mostrando a conformação de um “território negro”, trazendo importantes contribuições para os debates atuais sobre a assunção quilombola a partir do Artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal Brasileira. Este livro constitui, assim, expressão de fina capacidade analítica para tratar de questões sensíveis da história do nosso país.”

Autor: Marcelo Moura Mello

Editora: Terceiro Nome

R$

 

Anúncios
Published in: on junho 4, 2012 at 5:03 pm  Deixe um comentário  

Racismos olhares plurais

Recuperar a historicidade dos fenômenos sociais – reinserilos, enquanto práticas, no tempo e no espaço, reencontrar os caminhos pelos quais aquilo que se esboçava de maneira vaga em diversas áreas da vida social veio a se reforçar e sedimentar como um padrão de conduta – é também politizá-los, abrir a avenida da crítica. De modo semelhante, politizar os fenômenos – quebrar sua aparente naturalidade e recolocá-los no campo das decisões e escolhas práticas – é também devolvê-los para a história, ou melhor, para histórias tecidas por variados atores em um campo móvel de definições.

Enfocando as distintas modalidades de manifestação de racismo no Brasil e suas repercussões na sociedade, os textos que compõem esta coletânea oferecem-nos um quadro complexo e dinâmico do problema – que a um só tempo recoloca a história e a política no centro da análise. Os autores da presente obra, através de diferentes enfoques, contribuem de forma profícua para o debate sobre o racismo e o preconceito racial, “desempacotando” um termo por vezes usado de maneira muito vaga, para expor toda uma gama de práticas e discursos racistas vigentes em campos sociais diversos.

Os organizadores da coletânea acreditam que estabelecer canais de diálogo entre diversos organismos da sociedade – acadêmicos, governamentais e não-governamentais – é uma avenida importante na luta contra o racismo, um caminho que vale a pena ser trilhado. Neste sentido seu objetivo é duplo: analisar as manifestações de racismo e suas interfaces no Brasil e motivar o envolvimento de diversas instituições e atores sociais na superação da discriminação. Ambos os objetivos, de fato, complementam se: trata-se fundamentalmente de contribuir para a efetivação de uma equidade histórica.

Neste sentido, a presente coletânea situa-se perfeitamente no quadro da proposta do Laboratório de Investigação de Desigualdades Sociais – LIDES, do Programa de Pós-Graduação em iências

Sociais da Universidade Federal da Bahia. Com foco em atividades de formação de recursos humanos e assessoria para elaboração de diagnóstico social, desenho e avaliação de políticas e programas sociais, bem como desenvolvimento de projetos integrados de pesquisa e intervenção social, o LIDES visa funcionar como um mobilizador e estruturador de ações de cooperação entre a universidade e setores diversos da sociedade (órgãos governamentais, entidades de classe, ONGs, organizações populares e movimentos sociais).

O livro “Racismos: olhares plurais” marca, sem dúvida, um início auspicioso para as atividades do Laboratório.

Miriam C. M. Rabelo

Profa. Dra. do Departamento de Sociologia e

Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – Coordenadora do LIDES – UFBA

Autor(a): Ana Cristina de Souza Mandarino e Estélio Gomberg(Organizadores)

Editora: UFBA

R$ 30,00

Published in: on junho 4, 2012 at 4:48 pm  Deixe um comentário  

Cultura negra e ideologia do recalque

 

A cultura negra no Brasil vem sofrendo, há muito tempo, intenso recalcamento ideológico. Este livro resulta do estudo dos valores e das características próprias do riquíssimo processo sociocultural negro-brasileiro e da análise dos fatores do recalcamento ideológico, que constitui um poderoso obstáculo à real integração nacional.

Autor:  Marco Aurélio Luz

Editora: Pallas

R$ 30,00

Published in: on maio 7, 2012 at 5:35 pm  Deixe um comentário  

PIERRE FATUMBI VERGER: DO OLHAR LIVRE AO CONHECIMENTO INICIÁTICO

O livro Pierre Fatumbi Verger: Do olhar livre ao conhecimento iniciático (Pierre Fatumbi Verger, Du regard détaché à la connaissance initiatique), do antropólogo francês, Jérôme Souty, foi publicado inicialmente, em francês, em 2007. Agora o público brasileiro ganha uma versão em português. Lançado pela Editora Terceiro Nome, o livro conta a trajetória de Pierre Verger, sua curiosidade e respeito pelas outras culturas e seu processo como fotógrafo e pesquisador etnonográfico, suas viagens pelo mundo e sua relação com a religiosidade.

O livro ainda interroga a etnologia, seu valor e seus limites, e contribui para a renovação dos métodos e a reconsideração dos objetivos da antropologia.
Jérôme Souty é francês e viveu Paris até 2004, quando se mudou para o Rio de Janeiro. Doutor em antropologia social (EHESS, 2005) e pesquisador em antropologia urbana e contemporânea na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/FAPERJ), é também autor do livro La Rencontre des Cultures (Le Cavalier Bleu, Paris, 2011) e membro do comitê de redação da revista Brésil (Éditions MSH).

AUTOR: JÉRÔME SOUTY

EDITORA: TERCEIRO NOME

R$: 60,00

Published in: on janeiro 18, 2012 at 3:59 pm  Deixe um comentário  

O Caminho Quilombola: sociologia jurídica do reconhecimento étnico

Em O Caminho Quilombola, André Videira de Figueiredo analisa a construção da identidade étnica como o resultado do exercício coletivo de interpretação constitucional, empreendido por uma comunidade aberta de intérpretes da qual fazem parte não apenas legisladores e juízes, mas atores da sociedade civil, formadores de opinião e os próprios grupos interessados. Tais atores estão envolvidos, todos, em disputas interpretativas que constroem, para a questão quilombola, um campo de posições possíveis. É neste cenário que o autor aborda o processo de reconhecimento de uma família de camponeses negros do Vale do Paraíba fluminense, articulado em torno de uma conjunção possível entre valores e interesses. A comunidade remanescente de quilombo de Alto da Serra constitui um caso exemplar do quanto o reconhecimento étnico, embora possa encontrar como ponto de partida demandas objetivas como a permanência na terra, opera, a partir do direito, um arranjo moderno da identidade, cujo impacto ultrapassa as demandas originais, redundando na ampliação da auto-estima do grupo. Neste processo, no qual as formas locais de reconhecimento deverão ser traduzidas para a linguagem do direito, e vice-versa, os grupos concretos deverão articular uma interpretação da Constituição que garanta, ao mesmo tempo, a integridade do direito e sua própria integridade moral como grupo étnico.

Autor: André Videira de Figueiredo

Editora: Appris

R$ 48,00

Published in: on janeiro 2, 2012 at 4:05 pm  Deixe um comentário  

O ANTROPÓLOGO E SUA MAGIA: Trabalho de Campo e Texto Etnográfico nas Pesquisas Antropológicas sobre Religiões Afro-Brasileiras

O trabalho de campo desempenha papel fundamental na definição da antropologia como ciência da alteridade ou da crítica cultural. Neste livro, o autor se propõe a analisar determinados aspectos do trabalho de campo, enfocando principalmente a relação observador-observado tal como essa se apresenta nos depoimentos dos antropólogos e das pessoas entrevistadas. Procura, ainda, analisar a produção dos textos etnográficos e suas conseqüências para os grupos pesquisados. A obra coloca em questão os limites entre observação e participação no trabalho etnográfico, especialmente entre as comunidades religiosas afro-brasileiras, e as transformações ou legitimações das tradições religiosas decorrentes do contato entre o universo da academia e dos terreiros.

Livro de Vagner Gonçalves da Silva

Editora Edusp

R$ 46,00

Published in: on setembro 23, 2010 at 9:37 pm  Deixe um comentário  

A ARTE DO EFÊMERO:Carnavalescos e mediação cultural no Rio de Janeiro


Em “A arte do efêmero: carnavalescos e mediação cultural no Rio de Janeiro”, Nilton Santos amplia e sofistica nosso conhecimento sobre os carnavalescos cariocas e a relação estabelecida entre eles, dirigentes e os componentes das Escolas de Samba. “Por dever de ofício, o carnavalesco é sempre chamado a operar códigos simbólicos e a transitar em redes sociais distintas, desenvolvendo idéias próprias de trabalho com a cultura popular. O livro traz questões instigantes para todos aqueles que se interessam pela festa popular e pela cultura brasileira e renova um campo promissor de investigações sobre a sociedade contemporânea.

Livro de Nilton Santos

Editora: Apicuri

R$ 35,00

Published in: on setembro 16, 2010 at 2:53 pm  Deixe um comentário  

As Festas E Os Dias

Estão aqui reunidos nove textos, cujo ponto de interseção é a investigação etnográfica de ritos encontrados em diferentes contextos culturais. Em conjunto, as análises empreendidas lidam com a densidade, os limites e os usos da compreensão antropológica dos rituais à luz de sua variação etnográfica. Dito de outro modo, estão atentas à confluência das categorias nativas em jogo na recorrência desses rituais com as categorias que conformam a reflexão do antropólogo.

Livro de José Reginaldo Santos Gonçalves

Editora Contra-Capa

R$ 40,00

Published in: on março 29, 2010 at 4:12 pm  Deixe um comentário  

DIVERSIDADE ÉTNICA, CONFLITOS REGIONAIS E DIREITOS HUMANOS


Um dos principais objetivos desta publicação é discutir a relação entre etnia, nação e 
Estado. Busca, portanto, compreender como a interação entre esses elementos produziu a 
necessidade de solidariedade, tolerância e promoção dos direitos humanos. Nesse 
sentido, mostra que, apesar de ter havido a consolidação de normas de alcance 
universal, isso não evitou, em diversas ocasiões, a violação dos direitos humanos por 
esses mesmos Estados.

A obra debate os elos entre diversidade étnica, conflitos regionais e direitos humanos, 
verificando como a vida em sociedade desenvolve instrumentos de proteção de direitos, 
sendo o Estado uma estrutura importante e necessária para a consolidação de certos 
valores. Enfoca ainda temas como a descolonização, o sistema  internacional de proteção 
aos direitos humanos, mecanismos de intervenção e assistência humanitárias e conflitos 
internos ocorridos em Ruanda e na ex-Iugoslávia.
Livro de TULLO VIGEVANI ,  MARCELO FERNANDES DE OLIVEIRA,  THIAGO LIMA.
Editora Unesp
R$ 15,00 
Published in: on março 29, 2010 at 3:43 pm  Deixe um comentário  

Pele negra, máscaras brancas

213

A obra fala sobre a negação do racismo contra o negro na França e teve sua primeira edição, em português, em 1963. É um clássico do pensamento sobre a Diáspora Africana, do pensamento da descolonização, do pensamento psicológico, da teoria das ciências, da filosofia e da literatura caribenha O autor revela, ainda, como a ideologia que ignora a cor pode apoiar o racismo que nega – pensamento que causou grande turbulência nas décadas de 1960 e 1970. O livro aguça nosso senso crítico e é uma das mais importantes obras contemporâneas sobre o racismo e seus impactos.
Fanon foi psiquiatra, escritor e ensaísta francês, nascido na Martinica. Ele é considerado o maior pensador do século XX relacionado a temas da descolonização e psicopatologia da colonização. Suas obras foram inspiradas nos movimentos de libertação anticoloniais por mais de quatro décadas.

Livro de Frantz Fanon
Tradução de Renato da Silveira

Editora: EDUFBA

R$ 29,00

Published in: on outubro 13, 2009 at 11:13 pm  Deixe um comentário